|Sua Excelência, de corpo presente», de Pepetela

|«Os Padrinhos da Nazarena» de Celestina Fernandes

|«A Mensagem do Cristal de Rocha» de Eugénia Neto

|«Histórias com Adivinhas» de Cremilda de Lima

|«A Primeira Aventura do João Escorpião» de Teresa Vieira

|«Música do Coração» de Cynthia Perez

|Evolução Histórico-Jurídica do Direito da Educação em Angola de Graça Pitra Costa

|Casa dos Estudantes do Império de Helder Martins

|«Práticas Contabilísticas» de Fernando Gonçalves e Neves Manuel (3.ª edição - 2018)

|Fiscalidade 2017 - novos conteúdos revistos e actualizados

|«A carteira Luísa Dylon e outros contos» de Roderick Nehone

|«Se o Passado não Tivesse Asas» de Pepetela

|«Luanda fica longe e outras estórias austrais» de José Luís Mendonça

|«Crescer a Ler» - Uma nova colecção infantil que vai estimular o gosto pela leitura nos mais novos.

|«Vidas de Areia» de Divaldo Martins

|«Papéis da Prisão - Apontamentos, Diário, Correspondência (1962-1971)» de Luandino Vieira

|«A sombra de Imana» de Verónique Tadjo

|«Crónicas maldispostas» de Pepetela

|«República do Vírus» de António Quino

|«Filho Querido» de Roderick Nehone

|«Entre sonhos e Delírios» de Noelma Viegas D' Abreu

|«Estórias para bem ouvir» de Fragata de Morais

|«Uma Escuridão Bonita» de Ondjaki

|«Estórias Além do Tempo» - 42 estórias contadas por escritores angolanos

|«Memórias» de Dino Matrosse

|«Memórias de um Dark Horse» de Onofre dos Santos

|Colecção Aventura «Os Candengues»

|«As Aventuras de Ngunga» de Pepetela

|Colecção «Legislação»

|«Teoria Geral do Esquecimento» de José Eduardo Agualusa»

|«Uma Viagem à Índia» de Gonçalo M. Tavares

|“Dentro de mim faz sul seguido de acto sanguíneo” , Ondjaki

|“O leão e o coelho saltitão” , Ondjaki

| “História da África Negra”

|“Contos para Contar”

|“A Múcua que Baloiçava ao Vento”

|“A Aventura do Vento e Outros Contos”

|“Histórias, Historietas”

|«A Educação Sentimental dos Pássaros» de José Eduardo Agualusa

|«Milagrário pessoal» De José Eduardo Agualusa

|«Os transparentes» de Ondjaki

|«Os vivos, o morto e o peixe frito» de Ondjaki

A construção de um Estado é lenta, progressiva, e a educação é um dos seus pilares fundamentais. A ainda curta história de Angola como país independente pode também ser contada através da história do seu sistema educativo e das suas leis.

Na verdade, como explica Graça Costa neste seu novo livro, a legislação de educação angolana acompanha a trajectória do país, dos seus sonhos e desilusões.

(…)

É hoje claro, e este livro demonstra-o, que a educação é o mais importante instrumento para a construção do Estado. Vale mais do que muitos exércitos, é um instrumento mais poderoso do que muitas armas. Porque une as pessoas, dá-lhes instrumentos para se realizarem social e pessoalmente, forma os cidadãos, é o cimento da unidade nacional. E, obviamente, é um instrumento de realização pessoal, um capital humano que o educando investe na transformação do país.

Compreende-se, assim, que o percurso da legislação de educação, também ela acompanhe etapas políticas, modas educativas, esperanças e sonhos de gerações. Também os fracassos, porque frequentemente muitas disposições legislativas não são implementadas na prática. Ou, de modo mais perverso, são simbólicas e sem qualquer reflexo na vida social.

O livro que agora se apresenta é um importante roteiro, não apenas do seu objecto mais próximo, as leis da educação, mas também das ideias políticas sobre a sociedade, as escolas, as famílias e as crianças.

 (António Pedro Barbas Homem, in Prefácio)